Seu browser não suporta JavaScript!

Histórico

 
           A Unidade Acadêmica de Química da Universidade de Brasília iniciou suas atividades em 1962, organizada como Instituto, e o seu papel era ministrar aulas para os cursos básicos da área de Ciências, não havendo ainda habilitação em Química. Em 1965, diante da crise política na UnB, o grupo inicial de professores que compunham o então Instituto de Química retirou-se de Brasília e em 1968 começou a chegar um novo grupo de professores, alguns dos quais ainda permanecem na nossa Unidade até os dias de hoje. Paralelamente a esses fatos, em 1970, os Institutos de Química, Matemática e Física foram aglutinados em um único Instituto que recebeu o nome de Instituto de Ciências Exatas. Essa nova Unidade Acadêmica congregou os Departamentos de Estatística, Geociências, Ciências da Computação, Matemática, Física e Química.
         Para garantir o seu desenvolvimento acadêmico e científico, existia então um convênio entre a UnB e a Unesco que possibilitou que aqui atuassem vários pesquisadores, porém em caráter temporário. Aos poucos, foram se agregando ao IQ professores titulados fora do país com linhas de pesquisa diversas. Em 1975, o então Departamento de Química foi considerado pelo CNPq como um centro de excelência, ocupando lugar de destaque no cenário nacional e já possuindo o curso de mestrado implantado oficialmente em 1974, nas quatro áreas tradicionais da Química: Analítica, Inorgânica, Orgânica e Físico-Química. Em 1992, completou-se o ciclo da pós-graduação com a implantação do doutorado. Vale ressaltar a implantação da Licenciatura no período Noturno, no primeiro semestre de 1993. Esse curso surgiu com uma filosofia inovadora, construindo sua identidade como formadora de docentes para atuarem no ensino de química no nível médio, se contrapondo ao já estabelecido sistema apendicular do Bacharelado. Mais recentemente, em 2004, iniciou-se uma outra área de investigação: a do Ensino de Química, extremamente importante, principalmente diante da aplicabilidade prática do conhecimento gerado, no âmbito da própria Unidade e das unidades por ele atendidas. Ainda mais recentemente, iniciou-se o Mestrado em Ciências.
           Assim, atualmente nossa Unidade Acadêmica conta com oito cursos em funcionamento: em nível de graduação, com a Licenciatura, o Bacharelado em Química, Química Tecnológica e Engenharia Química e em nível de pós-graduação com o Mestrado Acadêmico e o Doutorado, Mestrado Profissionalizante em Ensino de Ciências e Tecnologias Química e Biológica.
           Em um espaço de tempo de 26 anos, a nossa Unidade Acadêmica alcançou o seu desenvolvimento máximo no âmbito do Instituto de Ciências Exatas que atingiu dimensões exageradas, chegando a ter mais de 200 professores e 90 servidores técnico-administrativos. Este super-dimensionamento, pouco adequado, levou a sérias dificuldades de gerenciamento, resultando em tolhimento de algumas atividades e prejuízos acadêmicos. Durante esse período, a Química não só cumpriu o seu papel de formar profissionais na sua área como também de prestadora de serviços, ministrando disciplinas para atender à demanda de diversos outros cursos.
         No primeiro semestre letivo de 1999, foi criado o Instituto de Química, separando-se assim do Instituto de Ciências Exatas. A organização acadêmica da nova Unidade é de seis grandes áreas: a Química Analítica, Química Inorgânica, Química Orgânica, Ensino de Química, Físico-Química e Tecnologia. Essa transformação teve dois motivos principais: a maturidade científica atingida pelos seus pesquisadores, um privilégio resultante da experiência acumulada no processo evolutivo do então Departamento de Química, e a perda da competitividade no âmbito nacional, fazendo com que a Química sentisse a necessidade de dar um salto evolutivo imediato.
           Atualmente o Instituto de Química conta com 64 docentes, 32 técnicos administrativos e atende a 650 estudantes dos seus cursos de graduação e 150 estudantes dos programas de pós-graduação.